Capítulo 080

Fato #3. Melodia.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Sem-categoria

Capítulo 080

Fato #2. Mãos.

A mão que no começo acenou
e pouco tempo depois balangou,
uma semana depois segurou.

Do encontro dessas mãos
surgiu um convite e dois nãos.
E depois o sim: café e chá como direção.

As mãos foram capazes de sonhar,
e construir o caminho que começou no assinar.
Após tentativas, a oportunidade de agarrar.

E mesmo sem tê-lo premeditado,
certeza foi – e sempre será – te segurar
(assim como no primeiro verso).

Esse espaço de minutos, horas
e dias e meses que passaram…

As descobertas das energias
até então ocultas que ensinaram…

Tornou o primeiro gesto, então,
não só momento e emoção,
mas pura e irracionalmente razão.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem-categoria

Capítulo 080

Fato #1. Café.

Havia adquirido o hábito a pouco tempo
Um curto de lá, um expresso de cá.

Com o passar dos meses, foi pegando gosto
Dolce Gusto vermelha, “expresso intenso” pra acordá.

Tanto gosto que virou hábito. Antibiótico pré-lapso.
Na xícara Sul de Minas, no pequeno copo água com gás.

E então o ritual, necessário, vital.
Um gole, um olhar, outro gole e a paz.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem-categoria

Capítulo 079

Era um marinheiro a remar bravamente contra a maré para alcançar seu ponto final. Avistava ao longe, no seu destino, muita riqueza. Riqueza de brilhar, riqueza de sorrir.

Como em toda embarcação, não existe marinheiro só. Existiam também outros marinheiros, existiam também os clandestinos no porão, existiam também capitão e capitão, como em toda embarcação.

Enquanto queria, a todo momento, capitão sempre esbravejava feito cão. E o marinheiro – existiam também outros marinheiros – a remar bravamente contra a maré.

Enquanto convinha, a todo movimento, capitão sempre modificava a direção. E o marinheiro – não sabia se ainda existiam outros – a perceber cada vez mais longe a riqueza. Com ou sem fé.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem-categoria

Capítulo 078

Hoje lembrei
das luzes que iluminavam os sonhos
de todos os tão distantes e futuros planos
que ficaram em um lugar que não mais sei.

Hoje lembrei que não.
Sendo que tudo já fora tanto escrito como relido,
repensado, sacramentado…
deu de entender até o coração.

Hoje lembrei que não lembrei de você
e tudo se fez razão
até o mais longínquo pensamento, então
me fez, de corpo e alma, esquecer, relembrar e aprender.

Deixe um comentário

Arquivado em 300+, cunho-pessoal

Casa

Sem muito pensar mas sempre pensando em,
e indo contra os pré-conceitos de muitos
Fez-se um teto onde o teto são as estrelas
Fez-se um chão onde pisamos descalços
Fez-se um lugar onde possamos ser
Fez-se um lar onde possamos ter.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem-categoria

#dropis

Não se deixe enganar: escolha e vontade são sim antonimos.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem-categoria